Hallo Leute! 🙂

Final de semestre está chegando e hoje queria falar de um tema que é para tentar apaziguar os corações afoitos dos estudantes de alemão e fornecer uma ferramenta de controle de qualidade de estudos personalizado, rs…

As crianças e adolescentes não costumam padecer deste mal, mas geralmente meus alunos adultos ficam em polvorosa porque ainda não conseguem bater um papo tranquilo após um ano de estudo de alemão ou por vezes ficam frustrados de ainda não estarem falando feito o Goethe lá no B2.

Para acalmar as expectativas, poder valorizar o processo de aprendizagem e diminuir as frustrações é necessário que vocês saibam o que está previsto como meta para cada curso, para cada nível. Assim, é possível, ao final de cada semestre, verificar se as metas foram alcançadas e o que ainda precisa de mais estudo.

Isso vale não só para o alemão, mas para qualquer língua estrangeira que se aprende.

No caso das línguas europeias, o sistema de referência mundial há algumas décadas é o “Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas”.

Sabe este nome que os livros didáticos ganham – A1, A2, B1.1, B2.1, etc ? Eles são os nomes dados pelo Quadro Europeu Comum para descrever a proficiência em um idioma.

Pois bem, os níveis vão do A1 ao C2, sendo:

A Falante básico
A1 Iniciante
A2 Básico
B Falante independente
B1 Intermediário
B2 Usuário independente
C Falante proficiente
C1 Proficiência operativa eficaz
C2 Domínio pleno

O quadro é grande, então provavelmente vocês só irão procurar o seu nível e talvez o seguinte, não é? Mas guardem a tabela para o futuro ; )

USO ELEMENTAR DO IDIOMA

A1

Entender e conseguir usar expressões cotidianas e conhecidas assim como frases bem simples, que satisfazem necessidades concretas. Conseguir apresentar a si mesmo e outras pessoas, assim como fazer perguntas pessoais como, por exemplo, onde moram, que pessoas conhecem ou que objetos possuem, e conseguir responder a perguntas deste tipo. Conseguir se comunicar de forma simples, quando o interlocutor fala devagar, com clareza e está disposto a ajudar.

A2

Entender frases e expressões comumente usadas, relacionadas a temas bem imediatos (por exemplo, informações pessoais e sobre a família, compras, trabalho, ambiente em que vive). Conseguir se comunicar em situações simples e rotineiras, nas quais há uma troca simples e direta de informações sobre coisas conhecidas e comuns. Descrever por meios simples a própria origem e formação, o que está diretamente ao seu redor e os objetos relacionados às suas necessidades básicas.

 

USO AUTÔNOMO DO IDIOMA

B1

Conseguir entender os pontos principais, quando utilizada a língua padrão claramente articulada, e quando se trata de assuntos conhecidos como trabalho, escola, lazer, etc. Saber lidar com a maioria das situações com as quais se depara em viagens. Conseguir expressar-se de forma simples e coerente sobre temas familiares e áreas de interesse pessoal. Conseguir narrar experiências e acontecimentos, descrever sonhos, esperanças e objetivos e dar justificativas e explicações curtas sobre planos e intenções.

B2

Entender os pontos principais de textos mais complexos com temas concretos e abstratos; entender discussões técnicas na sua área de especialização. Conseguir comunicar-se de forma tão espontânea e fluente, que é possível realizar uma conversa normal com falantes nativos sem muito esforço de ambas as partes. Conseguir expressar-se em uma gama variada de temas de forma clara e detalhada, expressar um ponto de vista relativo a uma questão atual e indicar as vantagens e desvantagens de várias possibilidades.

 

USO COMPETENTE DO IDIOMA

C1

Conseguir entender uma gama variada de textos sofisticados e mais longos, assim como conseguir compreender significados implícitos. Conseguir expressar-se de forma espontânea e fluente sem precisar, a todo momento, procurar por palavras. Conseguir utilizar o idioma tanto na vida social e profissional como também na escola ou faculdade de forma eficaz e flexível. Conseguir expressar-se de forma clara, estruturada e detalhada sobre assuntos complexos, utilizando adequadamente vários meios para interligar os textos.

C2

Conseguir entender praticamente tudo o que lê ou ouve sem esforço. Conseguir resumir informações de várias fontes escritas e orais e, com isso, poder formular justificativas e explicações em uma apresentação coesa. Conseguir expressar-se de forma espontânea, muito fluente e exata e, em assuntos mais complexos, poder distinguir as nuances de significado mais sutil.

Muitos cursos dividem os níveis em A1.1, A1.2, A2.1, etc. mas atenção: se você estiver num curso do B1.1, significa que você concluiu o A2 – mas só “terá alemão B1” ao concluir o B1.2 (de preferência, fazendo a prova de proficiência do B1).

Façam a checagem ao final do semestre, mais do que focar no que vocês ainda não conseguem fazer – como falar como o Goethe – vejam o que vocês já conseguem!

Esse negócio de dar valor ao que a gente já alcançou tem um impacto real na empolgação para os estudos e para alcançar os objetivos pessoais de cada um! Fica a dica!

Bons estudos : )
Teresa

Referência:
Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas