Só há mundo onde há linguagem.
Martin Heidegger

Martin Heidegger (26 de setembro 1889 – 26 de maio de 1976)

O homenageado no mês de setembro de 2017 é o filósofo, escritor e professor universitário Martin Heidegger, um dos mais importantes pensadores do século 20. Sua filosofia é descrita como a busca pelo Ser. Seu trabalho busca algum tipo de significado para o fato espantoso de que “há coisas que existem”. Sustentava que seria o Ser, enquanto tal, mais do que a existência pessoal, o centro de suas preocupações. Exerceu forte influência sobre intelectuais como Jean Paul Sartre. Com o objetivo de ser padre cursou Teologia na Universidade de Friburgo, onde foi aluno de Edmund Husserl, teórico e filósofo criador da fenomenologia[1]. A partir da influência que adquiriu do professor Husserl, tornou-se seu herdeiro na liderança da fenomenologia – sistema filosófico que estuda o conjunto de fenômenos e estruturas da experiência consciente e como eles se manifestam através do tempo e do espaço.

Após a publicação de sua maior obra filosófica, “Ser e Tempo”, em 1927, ele foi considerado o maior nome da filosofia metafísica. Nesta obra ele fornece uma análise da existência humana, onde, trata-se de um caminho para a compreensão do Ser-em-si, investigando seu sentido, procurando através da ontologia diferenciar ser e ente, e demonstrando o tempo como horizonte de compreensão do ser[2].

Heidegger nunca pensa sobre algo. Ele pensa algo.
Hannah Arendt

Dicas de leitura:

  • A caminho da linguagem [Unterwegs zur Sprache], 2003. Tradução Marcia Sá Cavalcante Schuback.
  • Ensaios e conferências [Vorträge und Aufsätze], 2002. Tradução Emmanuel Carneiro Leão.
  • Martin Heidegger. Philosophie und Ideologie, 1991.
  • Heidegger, 1990. Tradução João Paz.
  • Ontologia política de Martin Heidegger, 1989. Tradução Lucy Moreira Cesar.
  • Martin Heidegger und das “Dritte Reich”: ein Kompendium, 1989.
  • Heidegger: anatomia de um escândalo, 1989. Tradução Orlando dos Reis.
  • Der Begriff der Zeit, 1989.
  • Carta sobre o humanismo, 1985. Tradução Pinharanda Gomes.
  • Heideggers Wege, 1983.
  • Heidegger, 1982. Tradução Armindo José Rodrigues.
  • Erinnerung na Martin Heidegger, 1977.
  • Martin Heidegger: o fim da filosofia ou a questão do pensamento [Zur Sache des Denkens], 1972. Tradução Ernildo Stein.
  • Que é isto – a filosofia? [Was ist das – die Philosophie?] Identidade e diferença [Identität und Differenz], 1971. Tradução Ernildo Stein.
  • Sobre a essência do fundamento [Vom Wesen des Grundes]. A determinação do ser do ente segundo Leibniz [Aus der letzten Marburger Vorlesung]. Hegel e os gregos [Hegel und die Griechen], 1971. Tradução Ernildo Stein.
  • Sobre o problema do ser. O caminho do campo [Zur Seinsfrage – Der Feldweg], 1969. Tradução Ernildo Stein.
  • Sobre a essência da verdade. A tese de Kant sobre o ser [Vom Wesen der Wahrheit – Kants These über das Sein], 1970. Tradução Ernildo Stein.
  • Que é metafísica? [Was ist Metaphysik?], 1969. Tradução Ernildo Stein.
  • Da experiência do pensar, 1969. Tradução Maria do Carmo Tavares de Miranda.

Quer conhecer mais sobre suas obras? Faça-nos uma visita e conheça nossa coleção!

Abraços! 😋
Aninha, Bibliotecária Goethe-Zentrum Brasília

Fontes consultadas:
[1] https://www.ebiografia.com/martin_heidegger/
[2] http://pensamentoextemporaneo.com.br/?p=147